quinta-feira, 17 de novembro de 2011

* Clareamento: melasma e alguns dados científicos da Dra Cristina - dermatologista

IMPORTANTE PARA QUEM TEM MANCHAS: "Seja qual for o tom da pele,  as peles pigmentadas (manchadas) não devem usar certos produtos, como os que contêm soja na formulação. Substâncias presentes na soja agem como o estrógeno, hormônio que provoca manchas. Só os produtos que contêm soja com estrógeno removido podem ser usados por quem tem alta pigmentação."
NOTA: leiam a postagem "Pele: 16 tipos e mais sobre tratamentos", de 28/12/2011, para saber que tipo de cosmético seu tipo de pele aceita. 

Na postagem Clareamento: peelings e lasers comento sobre o peeling de Krulig (peeling AMELAN®)

Aprendi com um artigo da Dra. Patricia Rittes (http://www.prittes.com.br/2011/trata0.htm) que o peeling  de Krulig (também conhecido pelo nome fantasia AMELAN® é o mais adequado para eliminar as manchas das mãos (também pode usar na face). MAS: ele tem hidroquinona também. 
http://belezaativaestetica.blogspot.com/2011/03/peeling-amelan-o-peeling-amelan-de.html e http://www.maisquebeleza.com/amelan.htm

O peeling AMELAN® (de Krulig) é um tratamento despigmentante, indicado para a eliminação de manchas da face e mãos.
Sua maior indicação é para as manchas conhecidas como melasma ou cloasma, de origem solar ou hormonal (pós-gravidez ou uso de anticoncepcionais), e o resultado aparece entre 20 a 30 dias. Nas sardas e outras manchas menores decorrentes do envelhecimento da pele o resultado demora um pouco mais, 40 a 60 dias.
Também é indicado para seqüelas hiperpigmentadas de acne e cicatrizes; na fotoelastose, que é o envelhecimento da pele causado pela ação do sol resultando em manchas irregulares difusas e queratoses; manchas provocadas após uso de medicamentos que conferem fotossensibilidade como antibióticos, anticoncepcionais e alguns fitoterápicos como o hipericum, além de cosméticos, perfumes e frutas ácidas (o bigode do suco); na hiperpigmentaçao após peelings e tratamentos à base de ácidos.
O AMELAN® combina substâncias com ação antimelanócito e antimelanina. Diversos despigmentantes como o ácido kójico, ácido fítico, arbutin, retinaldeído e vitamina C, estão associados com antioxidantes, hidratantes e filtro solar. Este peeling é compatível com todos os tipos de pele e totalmente seguro. 



MELASMA (achei hoje, 9 de julho de 2014):
Clínica de Mônica Aribi (http://monicaaribi.com.br/?p=1425):
O mais avançado aliado no tratamento do melasma é o Spectra, laser de Nd: Yag de 1064 nm. Em torno de 10 sessões para clareamento das manchas, 20 minutos cada. 
http://mulher.uol.com.br/beleza/noticias/redacao/2012/05/07/conheca-os-mais-novos-tratamentos-que-recuperam-a-juventude-do-rosto.htm - esta postagem é de 2012:
Todo ano dermatologistas do mundo inteiro se reúnem no encontro da Academia Americana de Dermatologia para apresentarem e discutirem métodos e tratamentos que resolvam os mais variados problemas de pele como flacidez, rugas, manchas, envelhecimento, acne, redução de colágeno, perda do contorno facial, entre outros. Esse ano (2012), o encontro aconteceu em San Diego, na Califórnia, e trouxe novidades animadoras, que vão desde um método simples como a tecnologia que potencializa a penetração de ativos nas camadas mais profundas da pele até uma grande descoberta, como o laser que não dispara a melanina, descartando assim a possibilidade de efeito rebote no tratamento de manchas. “O método (SPECTRA) acaba de ser aprovado pelo FDA, nos Estados Unidos e representa um divisor de águas no tratamento de melasma. Estudos mostram uma eficácia de 92% dos casos, absolutamente sem efeito rebote, somente com o laser, sem uso de despigmentante”, ressalta a dermatologista Mônica Aribi, de São Paulo, que já adotou o tratamento entre seus pacientes e começa a ver a teoria sair do papel para se comprovar na prática. “Os resultados são concretos”, diz.  É o método de menor risco de hipercromia (coloração anormal e exagerada da pele). 
Aqui você vê os resultados: http://beautybybru.com.br/tag/spectra-antes-e-depois/ - ela faz com a Dra. Thais Pepe (nossa, quero fazer também).  E aqui (beautybybru.com.br/melasma-2-2/) tem mais conselhos da moça que já era linda e ficou muito mais depois do spectra.

http://dramariacristinadossantos.site.med.br/index.asp?PageName=Estudos-20recentes-20sobre-20melasma

Estudos recentes sobre melasma

O melasma é uma desordem na pigmentação da pele da face, há um aumento da melanina pela enzima tirosinase nos melanócitos situado na primeira camada da pele, a epiderme. 


 

Nas mulheres o melasma é mais frequente, com mais de 25 anos com terapia hormonal e gravidez, mas também pode ocorrer em homens e mulheres mais jovens.

 

Na face as manchas são bilaterais e seguem a região do nervo trigêmio o que sugere que o envolvimento neural poderia fazer parte do mecanismo patogênico da pigmentação. 

 

Um oligopeptídeo ( Lumixyl)  indicado para o tratamento tópico, inibe a tirosinase do cogumelo e do ser humano e não apresenta a toxidade que a hidroquinona causa .

 

Um tratamento via oral é a procyanidina ( bioflavonoides) associado com vitamina C, vitamina E e vitamina A para o tratamento de melasma em fototipo III e IV em um periodo de oito semanas.

 

Um outro dispigmentante que está sendo avaliado é o ácido dióico comparado com a hidroquinona, é altamente efetivo e bem tolerado .

 

Um tratamento de primeira linha indicado no melasma é um creme com tripla ação contendo  hidroquinona 4%, com tretinoína 0,05% e o acetato de fluocinolona 0,01% .

 

 No tratamento de melasma após hiperpigementação pós peeling foi utilizado a hidroquinona ou a tretinoina ou  o peeling de ácido glicólico e o resultado melhor foi com a hidroquinona.

  

Quando os lasers são usados, há uma significante incidencia de hiperpigementação pós laser e a vitamina C intravenosa aparece para ser utilizada no tratamento dessa complicação ( relato de um caso de uma mulher chinesa  de 51anos).

  

A niacinamida 4% associada com N acetil glucosamina 2% , tópica ,  é eficaz qdo comparado com veiculo controle em mulheres de 40 a 60 anos na pigmentação irregular da melanina na face.

 

O acido tranaximico é eficaz no tratamento de melasma quando utilizado em cosmético e em microinjeções.

 

A  luz intensa pulsada destaca-se como uma ferramenta eficaz no tratamento e na cura de uma percentagem elevada de hipermelanose e melasma, com um baixo risco de complicações e uma excelente taxa de satisfação entre os pacientes. 
A dedicãção no tratamento, evitar o sol e fazer a fotoproteção correta também é muito importante para amenizar a mancha de cor marrom.  Há outros tipos de tratamentos como laser, medicamentos injetáveis e outros cosméticos para o tratamento do melasma, mas mesmo com vários opções terapeuticas o melasma   ainda é uma patologia muito  desafiadora para o médico

 

.

  

 

FONTE - www.bireme.br ( medline)


Autor: Bak H; Lee HJ; Chang SE; Choi JH; Kim MN; Kim BJ
Endereço: Department of Dermatology, Asan Medical Center, College of Medicine, University of Ulsan, Seoul, Korea.
Título: Increased expression of nerve growth factor receptor and neural endopeptidase in the lesional skin of melasma.
Source: Dermatol Surg;35(8):1244-50, 2009 Aug.


Autor: Hantash BM; Jimenez F
Endereço: Elixir Institute of Regenerative Medicine, San Jose, CA 95138, USA. basil@elixirinstitute.org
Título: A split-face, double-blind, randomized and placebo-controlled pilot evaluation of a novel oligopeptide for the treatment of recalcitrant melasma.
[So] Source: J Drugs Dermatol;8(8):732-5, 2009 Aug.



Autor: Handog EB; Galang DA; de Leon-Godinez MA; Chan GP
Endereço: The Section of Dermatology, Department of Health, Research Institute for Tropical Medicine, Manila, Philippines. handogmd@pacific.net.ph
 Título: A randomized, double-blind, placebo-controlled trial of oral procyanidin with vitamins A, C, E for melasma among Filipino women.
 Source: Int J Dermatol;48(8):896-901, 2009 Aug.



Autor: Tirado-Sánchez A; Santamaría-Román A; Ponce-Olivera RM
Endereço: The Servicio de Dermatología, Hospital General de México, México. andrestiradosanchez@hotmail.com
Título: Efficacy of dioic acid compared with hydroquinone in the treatment of melasma.
Source: Int J Dermatol;48(8):893-5, 2009 Aug.

  

Autor: Garg VK; Sarkar R; Agarwal R
Endereço: Department of Dermatology and Venereology, Maulana Azad Medical College and Associated Hospitals, New Delhi, India. vijaykga@gmail.com
Título: Comparative evaluation of beneficiary effects of priming agents (2% hydroquinone and 0.025% retinoic acid) in the treatment of melasma with glycolic acid peels.
Source: Dermatol Surg;34(8):1032-9; discussion 1340, 2008 Aug.



Autor: Cestari T; Arellano I; Hexsel D; Ortonne JP; Latin American Pigmentary Disorders Academy
Endereço: University of Rio Grande do Sul, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Brazil. tcestari@terra.com.br
Título: Melasma in Latin America: options for therapy and treatment algorithm.
Source: J Eur Acad Dermatol Venereol;23(7):760-72, 2009 Jul.


Intravenous vitamin C in the treatment of post-laser hyperpigmentation for melasma: a short report.
Autor(es): Lee GS
Fonte: J Cosmet Laser Ther; 10(4): 234-6, 2008 Dec.

Reduction in the appearance of facial hyperpigmentation after use of moisturizers with a combination of topical niacinamide and N-acetyl glucosamine: results of a randomized, double-blind, vehicle-controlled trial (p 435-441)
A.B. Kimball, J.R. Kaczvinsky, J. Li, L.R. Robinson, P.J. Matts, C.A. Berge, K. Miyamoto, D.L. Bissett
Published Online: Aug 28 2009 9:16AM


Estudo de avaliação da eficácia do ácido tranexâmico tópico e injetável no tratamento do melasma. Steiner D, Feola C, Bialeski N,Ayres de Morais e Silva F, Pessanha Antiori C, Addor F,Brandão Folino B.Fonte: Surgical & Cosmetic Dermatology november 2009


Revista Aesthetic Plastic Surgery-  online first.

http://caras.uol.com.br/noticia/saude-melasma-informacoes-e-tratamento-por-patricia-guedes-rittes#image0

EVISTA CARAS | 8 DE ABRIL DE 2010 (EDIÇÃO 857ANO )

LUZ PULSADA É A NOVA ESPERANÇA NO COMBATE AO MELASMA, DOENÇA DE PELE

Extremamente prejudicial à autoestima dos portadores, o melasma se caracteriza pelo surgimento de manchas castanhas na pele. É mais frequente nas faces, testa, pescoço, colo. A doença era tratada só com pomadas. Mas pesquisadores presentes ao congresso da Academia Americana de Dermatologia, em março, revelaram que vêm tendo sucesso no tratamento da moléstia causada pelo sol com luz pulsada



Por: por Patrícia Guedes Rittes* (CRM 48444)
O melasma se caracteriza pelo aparecimento de uma mancha castanha de tamanho variável na pele. A doença pode ocorrer em todo o corpo, porém é mais frequente nas faces, testa, pescoço e colo. Pode se manifestar em qualquer adulto, mas é mais comum na mulher em geral após os 25 anos. Também é mais frequente em pessoas de pele morena do que nas de pele clara. Quando aparece em grávidas, é chamada cloasma. Grávidas de pele clara têm 50% de possibilidade de apresentar melasma; já nas de pele castanha ou parda esse risco sobe para 70%.
Em geral as manchas ocorrem ao mesmo tempo dos dois lados. Existem basicamente três padrões: o centro-facial, o malar e o maxilomandibular. No padrão centro-facial, o mais frequente, as manchas aparecem nas regiões malares, fronte e lábio superior. No padrão malar, aparecem nas regiões malares e também no nariz. E no padrão maxilomandibular, nas mandíbulas.
A causa da doença ainda é desconhecida. Mas se sabe que os melanócitos - células que produzem a melanina, responsável pela coloração da pele - "enlouquecem" e passam a liberar melanina em excesso. É preciso destacar que as pessoas já nascem predispostas a desenvolver o melasma.
Contribuem para seu desencadeamento ou agravamento a exposição excessiva aos raios solares e a elevação dos níveis hormonais na mulher durante a gravidez, quando faz reposição hormonal ou nos períodos em que usa pílulas anticoncepcionais. Os raios ultravioleta do sol e os hormônios estimulam os melanócitos a liberarem melanina, levando à pigmentação da pele. O melasma pode surgir de repente, após intensa exposição ao sol, ou se instalar aos poucos. Em geral melhora no inverno e se agrava durante o verão.
A doença pode ser desencadeada ou agravada também pelo uso de cosméticos cuja fórmula tenha derivados de petróleo, psoralênicos - remédios para psoríase e vitiligo - e/ou drogas fotossensibilizantes.
Portadores, em especial se sua autoestima está abalada, devem consultar um médico dermatologista. Quem tem a doença porque usa pílula precisa adotar outro método contraceptivo para as manchas clarearem. Já mulheres que a têm porque fazem reposição hormonal ou usam cosméticos com derivados de petróleo na fórmula, psoralênicos e/ou drogas fotossensibilizantes devem suspender o uso.
O tratamento de melasma é feito com pomadas clareadoras. Mas as que têm hidroquinona na fórmula não podem ser usadas por mais de dois meses, sob pena de provocarem manchas brancas na pele. É importante, também, que o portador da doença use protetor solar diariamente para as manchas não voltarem a escurecer.
Pesquisadores presentes ao último congresso da Academia Americana de Dermatologia, em Miami, em março, revelaram os resultados iniciais de novo estudo sobre o melasma provocado pela luz do sol. Descobriram que a radiação solar danifica o DNA das células produtoras de melanina - o que é chamado fotodano -, levando à formação de muitos microvasos no interior do melasma. Eles propõem que se combata o fotodano com luz pulsada - um tipo de luz - de baixa intensidade e com pomadas para eliminar o melasma. Segundo revelaram, as pesquisas ainda não foram concluídas, porém os resultados têm sido promissores.

3 comentários:

  1. http://www.maniasdabeleza.com/estetica/acabe-com-a-mancha-do-buco.html

    ResponderExcluir
  2. Anjinha, teria como vc passar a receita que vc usou para fazer sua manipulação? Sofro com melasma a 10 anos. Fiquei feliz em saber que há esperança em clarear essas malditas manchas. Sempre usei a manipulação feita com hidroquinona e confesso que fiquei com medo depois dos alertas que li aqui. Desde já, obrigada. My

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, my. Desculpe a demora em responder. Uso 2 cremes para as manchas:
      -1.o) AA2G a 2% (é a vit. C estabilizada com glicose, fica até 7 dias na pele, tem ação clareadora e renovadora), SNAP 8 a 8% e ácido hialurônico a 2%. Estes últimos não são para manchas e sim para rugas. Uso este creme 2-3 vezes ao dia, no rosto todo.
      -2.o) já este creme uso apenas em cima das manchas, e 1 vez ao dia: azeloglicina 10% e arbutin 2%. Ambos são para o tratamento de manchas. O arbutin é derivado da hidroquinona, ainda não sei se ele é seguro como afirmam. Não é tão potente quanto a hidroquinona.
      OBS.: my, tente fazer o tratamento com o laser SPECTRA para melasma (veja fotos na postagem acima), converse com seu dermatologista. Eu ainda não testei, mas pretendo fazê-lo em breve. Os resultados parecem excelentes.

      ARBUTIN, do site vanitypills.net: "O que torna o arbutin um bom clareador para prevenção e tratamento de hiperpigmentação é por ser mais seguro que a hidroquinona para uso tópico: não danifica os melanócitos, tornando-se mais indicado para tratamento em peles sensíveis e peles mais escuras; tem menos toxidade que a hidroquionona; não apresentou mutações genéticas quando feito testes em animais; tem boa estabilidade, podendo ser usado em cosméticos para uso diurno. Porém, segundo artigo publicado pela Dra. Baumann**, o uso de arbutin em concentrações elevadas, embora mostre melhores resultados na hiperpigmentação, ocasionou efeito rebote após um tempo, resultando em manchas pós-inflamatória."
      Veja no cosmeasia.com/2011/11/14/250/: adicionar ácidos na fórmula contendo o arbutin pode fazer uma pequena parte do arbutin sofrer hidrólise “liberando” um pouco de hidroquinona na fórmula - se vc é alérgica a hidroquinona, não use portanto o arbutin em formulações com ácidos, por exemplo o glicólico ou kójico.
      ** Dra. Bauamann é dermatologista e autora do livro The Skin Type Solution (no Brasil recebeu o título de “Pele Saudável”). Recomendo a versão em inglês e atualizada do livro dela.

      Meu melasma é dérmico e não epidérmico, logo, ele é mais resistente. Espero que o seu melasma seja o epidérmico (em consultórios, muitos médicos conseguem saber qual é usando lâmpada de UV).

      Sobre a azeloglicina (a forma solúvel do Ácido Azeláico), do site samana.com.br:
      "A Azeloglicina® tem potencial terapêutico na rosácea e nas desordens hiperpigmentantes.
      A resposta da Azeloglicina ® pode ser notada em apenas 21 dias de aplicação contínua, não só pelo clareamento como também pelo bloqueio do avanço da mancha. Os resultados máximos se concretizam após 2 a 3 meses, além de prevenir o aparecimento de novas manchas, continua exercendo sua ação clareadora sobre as manchas existentes.
      A utilização da Azeloglicina ® em produtos tópicos está relacionada ao fato do ácido azeláico naturalmente produzido pelo Pityrosporum ovale, ser uma causa conhecida de um dos desequilíbrios da pele, denominado pityriasis vesicolor, que se caracteriza pelo aparecimento de manchas leucodérmicas por falta da melanina. Esta despigmentação da pele se deve à inibição da tirosinase pelo ácido azeláico. A Azeloglicina ® imita a natureza e também inibe a tirosinase exercendo assim sua ação clareadora.

      my, eu tenho manchas esbranquiçadas em meu rosto devido a ação conjunta da hidroquinona e ácido retinóico. Isso não tem tratamento. Fora a ação tóxica da hidroquinona. NÃO USE HIDROQUINONA.

      Desejo a todas uma pele linda!!!!

      Excluir